Termo

Tibetano:

མཁའ་འགྲོ་མ་ , མཁའ་འགྲོ་

mkha' 'gro ma , mkha' 'gro

que se move no espaço/ céu

Sânscrito:

डाकिनी

ḍākinī

servente masculino ou feminino que serve Kāli

Português:

ḍākinī

Na tradição budista tibetana, este termo refere-se às personificações da sabedoria iluminada sob a forma feminina, por vezes chamadas “ḍākinīs de sabedoria”. Estas formam parte das Três Raízes, juntamente com o Lama e o Yidam, que são o cerne da prática vajrayāna, e representam também a atividade iluminada. No Tibete, é também o título (khandro) conferido à consorte e esposa de um mestre e a yoginīs realizadas. Existem várias classes de ḍākinīs, incluindo as mundanas, ou não iluminadas. No entanto, na Índia, como podemos constatar através dos sūtras, este nome era também dado a entidades femininas, que teriam uma natureza malévola e preferência por se alimentarem de carne.

Embora na realidade mkhan' 'gro (khandro) por si não especifique se é masculino ou feminino, nos textos tibetanos (de origem tibetana) normalmente refere-se ao feminino "ḍākinī" enquanto contração de mkhan' 'gro ma. O termo mais frequentemente empregue nas traduções para o masculino é ḍāka, que normalmente em tibetano corresponde a dpa' bo, que significa lit. "corajoso ou heroi" cujo equivalente sânscrito: vira.

Inglês:

ḍākinī

Espanhol:

Francês:

Italiano:

ḍākinī