Termo

Tibetano:

བཅོམ་ལྡན་འདས་

bcom ldan 'das

conquistou+possui+ foi

Sânscrito:

भगवत्

bhagavān, bhagavat , bhagavatī

dotado de bhaga (boa fortuna)

Português:

bhagavān; bhagavat (m), bhagavatī (f); 'vitorioso, virtuoso e transcendente'.

Epíteto dos budas, frequentemente aplicado ao Buda Śākyamuni. Na Índia, servia como vocativo para deuses, santos, etc; pois, em sânscrito, significa: alguém dotado de boa fortuna, glória, felicidade, etc. Porém, segundo alguns grandes comentadores budistas indianos, o termo tem a sua raiz etimológica na palavra bhagna, que denota a noção de “aquele que destruiu ou derrotou”, o que explicaria o motivo da tradução tibetana do termo; pois, em tibetano, o termo equivalente (pronunciado “chomdende”) condensa três significados: aquele que “derrotou” (bcom) os māras ou os kleśas, “possui” (ldan) as qualidades excelentes e “foi” ('das) para além do saṃsāra e do nirvāṇa; como tal, por vezes é traduzido, como “o vitorioso, virtuoso e transcendente”.

Este termo pode ser grafado como “bhagavān” ou “bhagavat” — que literalmente significa em sânscrito o dotado de “bhaga”, isto é, de boa fortuna, glória, felicidade, etc. — é por vezes traduzido para línguas ocidentais, como “O Bem-Aventurado” (às vezes também "O abençoado", mas esta opção levanta questões, como "abençoado pelo quê ou por quem?"). O entendimento do termo "bhagavān" como destruidor e não como afortunado, tal como mencionámos antes, provavelmente era o preferido dos paṇḍitas indianos que supervisionaram as primeiras traduções para o tibetano, como Vimalamitra e Mahājana, que certamente corroboraram a opção tibetana. (ver: Lopez, Donald. "The Heart Sūtra * Explained: Indian and Tibetan Commentaries. State University of New York Press. 1988)

Inglês:

bhagavān, bhagavat (m), bhagavatī (f), blessed one; 'Transcendent, Virtuous Conqueror'

Espanhol:

Francês:

Bhagavan, Vainqueur authentique et transcendant

Italiano:

bhagavān